fundo

Escolas de luta

No final do ano de 2015, surgiu um movimento social sem precedentes na história brasileira, tanto por sua dimensão quanto por suas táticas, quando mais de 200 escolas públicas estaduais de São Paulo foram ocupadas pelos seus alunos. Eles lutavam contra o plano do governo de fechar 94 escolas inteiras e centenas de turmas, realocando estudantes e superlotando salas.
O caso das primeiras escolas ocupadas causou pânico das autoridades, que reagiram com ameaças e violência, mas foi impossível conter o movimento e o numero de ocupações cresceu em uma velocidade impressionante: Zona Leste, Norte e Sul da Capital, Jandira, Mauá, Osasco, Ribeirão Pires, Santo André, Campinas, Franca, Santa Cruz das Palmeiras, Bauru, Jundiaí…. de repente havia escolas ocupadas por todo o Estado, do interior ao litoral, dos centros às periferias.
A Polícia Militar foi chamada por diretores desesperados e diversos casos de violência e sabotagem contra os estudantes foram registrados. Mas junto com a repressão também veio a solidariedade dos pais, de professores, das comunidades, de artistas, de toda a sociedade.
Os estudantes paulistas foram vitoriosos – forçaram o governador a recuar, suspendendo o projeto de “reorganização escolar”, e derrubaram o secretário de educação – e, logo em seguida, a mesma tática começou a ser utilizada por estudantes de outros estados na luta pela educação pública de qualidade.

Este livro é uma tentativa de reconstruir a luta contra a “reorganização” da perspectiva deles e delas.

Sobre os autores: Antonia Malta Campos – mestre em sociologia pelo IFCH/Unicamp;
Jonas Medeiros – doutorando em educação pela FE/Unicamp e pesquisador do NDD/Cebrap;
Márcio Moretto Ribeiro – professor do bacharelado em sistemas de informação na EACH/USP e membro do GPoPAI


Preço: R$ 49,90

  • Categoria: Ciências sociais/História
  • 352 páginas
  • Autores: Antonia M. Campos, Jonas Medeiros e Márcio M. Ribeiro