v-de-veneta

Em breve, a 2ª temporada do V de Veneta no Youtube. Inscreva-se no nosso canal

Endereço: Rua Araújo, 124, 1º Andar, São Paulo          Tel.: +55 (11) 3211-1233          Horário: Seg. à Sex., das 9h às 19h.

Loading...

Mukanda Tiodora

Vencedor do Prêmio Jabuti 2023.

O novo quadrinho de Marcelo D’Salete, autor dos celebrados livros Angola Janga e Cumbe, ganhador de prêmios como o Jabuti, vários HQ Mix e até um Eisner!

Em meados do século XIX, a população negra seguia construindo seus espaços na cidade de São Paulo. A Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos conseguira construir a Igreja do Rosário, e em torno dela promovia celebrações com grande presença africana. A área de matas conhecida como Campos do Bexiga, em torno do córrego Saracura, um refúgio para fugitivos da escravidão, já se transformava em base de uma comunidade negra. Graças ao trabalho escravo, o café enriquecia a cidade, mas nas fazendas surgiam mais e mais quilombos, mais e mais rebeliões…

Ainda que o poder estivesse totalmente nas mãos dos homens brancos (vários deles nem tão brancos assim…), nas ruas milhares de pessoas negras – escravizadas ou livres – trabalhavam em diferentes ofícios – carregadores, lavadeiras, quitandeiras e outros. Entre essas pessoas estava Tiodora, uma mulher escravizada que procura, através da palavra escrita, alcançar sua alforria. Este livro inspira-se nesse momento.

Nova obra de Marcelo D’Salete, Mukanda Tiodora joga luz sobre a São Paulo da década de 1860. Época em que circulavam nos corredores da Faculdade de Direito do Largo de São Francisco não apenas as ideias abolicionistas, mas também intelectuais negros como o aluno Ferreira de Menezes e esse vulcão chamado Luiz Gama, que ousava enfrentar o escravismo nos tribunais e também em publicações como o Diabo Coxo, que fundou com Angelo Agostini, pioneiro dos quadrinhos brasileiros.

Uma história emocionante, baseada em fatos reais, em uma edição rica em materiais de apoio, que inclui textos das historiadoras Maria Cristina Cortez Wissenbach e Silvana Jeha, uma cronologia da luta abolicionista em São Paulo e, pela primeira vez, a reprodução integral das cartas de Tiodora!

 

R$79,90

Loading...

Mukanda Tiodora

Vencedor do Prêmio Jabuti 2023.

O novo quadrinho de Marcelo D’Salete, autor dos celebrados livros Angola Janga e Cumbe, ganhador de prêmios como o Jabuti, vários HQ Mix e até um Eisner!

Em meados do século XIX, a população negra seguia construindo seus espaços na cidade de São Paulo. A Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos conseguira construir a Igreja do Rosário, e em torno dela promovia celebrações com grande presença africana. A área de matas conhecida como Campos do Bexiga, em torno do córrego Saracura, um refúgio para fugitivos da escravidão, já se transformava em base de uma comunidade negra. Graças ao trabalho escravo, o café enriquecia a cidade, mas nas fazendas surgiam mais e mais quilombos, mais e mais rebeliões…

Ainda que o poder estivesse totalmente nas mãos dos homens brancos (vários deles nem tão brancos assim…), nas ruas milhares de pessoas negras – escravizadas ou livres – trabalhavam em diferentes ofícios – carregadores, lavadeiras, quitandeiras e outros. Entre essas pessoas estava Tiodora, uma mulher escravizada que procura, através da palavra escrita, alcançar sua alforria. Este livro inspira-se nesse momento.

Nova obra de Marcelo D’Salete, Mukanda Tiodora joga luz sobre a São Paulo da década de 1860. Época em que circulavam nos corredores da Faculdade de Direito do Largo de São Francisco não apenas as ideias abolicionistas, mas também intelectuais negros como o aluno Ferreira de Menezes e esse vulcão chamado Luiz Gama, que ousava enfrentar o escravismo nos tribunais e também em publicações como o Diabo Coxo, que fundou com Angelo Agostini, pioneiro dos quadrinhos brasileiros.

Uma história emocionante, baseada em fatos reais, em uma edição rica em materiais de apoio, que inclui textos das historiadoras Maria Cristina Cortez Wissenbach e Silvana Jeha, uma cronologia da luta abolicionista em São Paulo e, pela primeira vez, a reprodução integral das cartas de Tiodora!

 

R$79,90

Loading...

Descrição

O novo quadrinho de Marcelo D’Salete, autor dos celebrados livros Angola Janga e Cumbe, ganhador de prêmios como o Jabuti, vários HQ Mix e até um Eisner!

Em meados do século XIX, a população negra seguia construindo seus espaços na cidade de São Paulo. A Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos conseguira construir a Igreja do Rosário, e em torno dela promovia celebrações com grande presença africana. A área de matas conhecida como Campos do Bexiga, em torno do córrego Saracura, um refúgio para fugitivos da escravidão, já se transformava em base de uma comunidade negra. Graças ao trabalho escravo, o café enriquecia a cidade, mas nas fazendas surgiam mais e mais quilombos, mais e mais rebeliões…

Ainda que o poder estivesse totalmente nas mãos dos homens brancos (vários deles nem tão brancos assim…), nas ruas milhares de pessoas negras – escravizadas ou livres – trabalhavam em diferentes ofícios – carregadores, lavadeiras, quitandeiras e outros. Entre essas pessoas estava Tiodora, uma mulher escravizada que procura, através da palavra escrita, alcançar sua alforria. Este livro inspira-se nesse momento.

Nova obra de Marcelo D’Salete, Mukanda Tiodora joga luz sobre a São Paulo da década de 1860. Época em que circulavam nos corredores da Faculdade de Direito do Largo de São Francisco não apenas as ideias abolicionistas, mas também intelectuais negros como o aluno Ferreira de Menezes e esse vulcão chamado Luiz Gama, que ousava enfrentar o escravismo nos tribunais e também em publicações como o Diabo Coxo, que fundou com Angelo Agostini, pioneiro dos quadrinhos brasileiros.

Uma história emocionante, baseada em fatos reais, em uma edição rica em materiais de apoio, que inclui textos das historiadoras Maria Cristina Cortez Wissenbach e Silvana Jeha, uma cronologia da luta abolicionista em São Paulo e, pela primeira vez, a reprodução integral das cartas de Tiodora!

Sobre o autor: Marcelo D’Salete é um dos mais premiados quadrinistas brasileiros da atualidade. Vencedor do Eisner em 2018, por Cumbe; do Rudolph Dirks, do Jabuti e do HQ Mix, entre outros, por Angola Janga. Formado em artes plásticas e mestre em história da arte, é também professor e ilustrador.

 

“Angola Janga devolve aos brasileiros novos heróis e modelos de história. Palmares é um ícone para a construção de outras histórias e memórias do país. Com Angola Janga ele ganha, finalmente, imagem e imaginação.” – Lilia Schwarcz

“O épico Angola Janga é um livro de incontornável impacto estético, além de constituir uma arrojada abordagem narrativa sobre um acontecimento que o autor define como ‘o maior levante escravo negro na América, comparável à Revolução Haitiana’.”  – Cristiane TavaresQuatroCincoUm

“O brasileiro que venceu ‘Oscar’ dos quadrinhos com história sobre escravidão.” – El País

“Marcelo D’Salete é hoje o maior narrador visual da história da escravidão brasileira. Depois de contar a luta pela liberdade em Palmares e nas histórias de Cumbe, ele homenageia a africana Tiodora.” – Silvana Jeha

Informação adicional

Peso 0,838 kg
Dimensões 16 × 1 × 23 cm
Nº de páginas

224

Acabamento

PB

Formato

16×23

ISBN

978-85-9571-128-0