v-de-veneta

A 2ª temporada do V de Veneta está disponível no Youtube. Inscreva-se no nosso canal!

Endereço: Rua Araújo, 124, 1º Andar, São Paulo          Tel.: +55 (11) 3211-1233          Horário: Seg. à Sex., das 9h às 19h.

Rafa Campos Rocha: “John John é quase um autorretrato meu”

Siga-nos

Por Seham Furlan

Rafa Campos Rocha quando criança. Arquivo pessoal.

 

Rafael de Campos Rocha descobriu o gosto pela leitura ainda criança. Não demorou para que os quadrinhos despontassem em seu horizonte, aos 12 anos, ao conhecer autores como Moebius, Philippe Druillet e Richard Corben. Atualmente, Rafa faz quadrinhos, arte e roteiro de desenho animado. É autor de Deus aos domingos e Lobas (ambos da Veneta), entre vários outros livros.

Ele é o responsável pelo traço que dá vida a John John Florence, um cachorrinho esperto e malandro, com nome de surfista famoso, que é o protagonista do novo livro do selo OH!, O paraíso de John John.  Conversamos com o quadrinista sobre sua relação com os gibis, bichos de estimação e infância. Confira a entrevista completa a seguir.

 

Com roteiro de Juliana Frank e André CurtarelliO paraíso de John John segue disponível em nosso site e nas melhores livrarias.

Trecho de O Paraíso de John John.

Oh!: Como você começou a se interessar por histórias em quadrinhos? Quando começou a fazê-las?

Rafa Campos Rocha: Eu realmente pensei em ser quadrinista aos 12 anos, quando tive contato com Arzach, de Moebius, Lone Sloane, de Druillet, Den de Corben e esses caras da Metal Hurlant. Eu gostava dos gibis de heróis da Marvel, mas não via sentido em desenhar personagens que não eram meus e sobre os quais eu não teria liberdade. Aos 13, me interessei por Krazy Kat, do Herriman, e achei que meu trabalho poderia beber nessa fonte, unindo-a ao futuro decadente das ficções científicas dos anos 70 e 80 francesas.

Oh!: Alguma leitura te marcou quando criança? Se sim, qual?

R. C.: Eu fiquei marcado pelos livros de arte, principalmente do renascimento italiano e pela pintura flamenga de Bosh. Lembro de ter lido muito Júlio Verne antes da adolescência e histórias de aventuras, como as coisas do Tolkien. Li O Círco do Dr. Lao logo que aprendi a ler e aquilo me marcou demais, assim como o Caneco de Prata e aquelas séries que líamos nas escolas.

Trecho de O Paraíso de John John.
Oh!: O que gostava de fazer na infância?
R. C.: Eu gostava de ler, desenhar e assistir filmes e desenhos animados na TV.
Oh!: Você teve cachorro quando criança? Gostaria de falar um pouco sobre ele?
Trecho de O Paraíso de John John.Oh!: Você teve cachorro quando criança? Gostaria de falar um pouco sobre ele?

R. C.: Tive um cachorro enorme, chamado Astor. Era um pastor belga que brincava super bem comigo e meus irmãos, mas odiava os adultos que brincassem com a gente. Acho que meu pai acabou dando o cachorro, antes que ele devorasse alguma visita adulta. Se bem que o tio Eurico nunca mais foi visto, depois de ter jogado futebol comigo, por alguns minutos, lá pelos idos de 1978.

Oh!: Do que você mais gosta no John John?

R. C.: O John John é um megalomaníaco autoindulgente e  autoiludido a respeito das próprias habilidades, carisma e conhecimento. Quase um autorretrato meu e para desenhá-lo, bastava olhar minha cara no espelho.

Oh!: Você também tem um cachorro, o Soluço. O John John tem algo dele?

R. C.: Bom, o Soluço parece mais a criança que é dona do John John, assim como eu pareço mais o John John que o próprio Soluço.

Oh!: Como seria o paraíso de Rafa Campos?

R. C.: Um lugar onde eu não precisasse trabalhar muito ganhando pouco e onde eu pudesse ler todos os livros e gibis que me dessem na telha.

TÍTULOS RELACIONADOS:

Você também vai gostar

Por Seham Furlan   Rafael de Campos Rocha descobriu o gosto pela leitura ainda criança. Não demorou para que os...
Por Seham Furlan André Curtarelli é o humano do John John de carne e osso. De acordo com o dono,...
por Seham Furlan Quando criança, Juliana Frank gostava de fingir que trabalhava com o pai, até mesmo frequentava algumas reuniões...
 Marcelo Lima, autor de Os Afrofuturistas, conversa com a OH! sobre o novo lançamento, interesse por jogos e afrofuturismo Por...